Fundado em 24/09/1938 – Na Internet desde 31/07/2000
dpedro2

D. Pedro II, o “augusto Patrono” (Estatutos de 24/09/1938) “Dormi. Sonhei muito. Uma história universal até ontem.” (Diário do Imperador D. Pedro II, 1840-1891, vol. 27, CD-Rom, Organização Begonha Bediaga, Museu Imperial, 1999)

Casa de Cláudio de Souza
Praça da Liberdade, 247
Vila Imperial
25685-050 Petrópolis, RJ
Brasil
Site implantado por decisão da Assembleia Geral realizada a 10/04/2000, aprovando proposta do Presidente Jeronymo Ferreira Alves Netto.
Dominio www.ihp.org.br criado a 25/04/2000 na FAPESP.
contato: ihp@ihp.org.br

 

INFORMAÇÕES ESPECIAIS (02/01/2022)

A Assembleia Geral Ordinária realizada ontem elegeu a Diretoria e o Conselho Fiscal para o mandato dos próximos dois anos, conforme a seguir consignado.

DIRETORIA (2022-2023)

Presidente Ana Cristina Borges López Monteiro Francisco – (AGO 13/12/2021)
Vice-Presidente Maria de Fátima Moraes Argon – (AGO 13/12/2021)
Secretário Marisa Guadalupe Plum – (AGO 13/12/2021)
Tesoureiro Flávio Mena Barreto Neves – (AGO 13/12/2021)

CONSELHO FISCAL (2022-2023)

Álvaro Penalva (AGO 13/12/2021)
Frederico Luiz Marmo Fadini (AGO 13/12/2021)
Hamilton Chrisóstomo Frias Martins (AGO 13/12/2021)
José Afonso Barenco de Guedes Vaz (AGO 13/12/2021)
Luiz Carlos Gomes (AGO 13/12/2021)

INFORMAÇÕES GERAIS (02/01/2022)

O instrumento de BUSCA já se encontra ativado.

Alguns aperfeiçoamentos e algumas correções ainda serão feitos.

Digite à esquerda da faixa vermelha o termo da pesquisa.
Despreze a segunda faixa vermelha, caso apareça. Clique na lupa existente no canto direito da primeira faixa vermelha.
Todos os textos que contiverem o termo buscado serão selecionados resumidamente. Clicando sobre o título do que interessar, o texto será  aberto integralmente.

Na opção Histórico da aba Categorias  existe relação de todas as diretorias, desde a fundação do Instituto.

extrato de Efemérides (para ver o mês completo, consulte Efemérides em Categorias)

1 de janeiro de 1850

Foi inaugurado, no Quarteirão Nassau, o Colégio Kopke, em prédio projetado pelo arquiteto Joaquim Cândido Guilhobel que procurou atender todas as exigências do ensino na época.

Fundado pelo professor Guilherme Kopke, de ascendência germânica, o referido Colégio sempre procurou conciliar os estudos literários com os estudos científicos, sem se descuidar do preparo para o ensino superior (academias do Império), mantendo também sempre presente a preocupação com a formação moral e religiosa dos alunos.

Procurando ajustar o colégio às características individuais dos alunos, o professor Kopke realizou um trabalho pioneiro, dividindo os alunos em pequenos grupos de estudo ou turmas de igual grau de inteligência e adiantamento, o que permitia aos professores um atendimento individual a cada um dos alunos destes pequenos grupos.

Antecipava-se assim, o referido professor a outros educadores que, partindo da diferenciação tipológica, buscava uma diferenciação metodológica para conseguir uma autêntica individualização do ensino.

Tudo isto só se tornou possível pela ação de professores recrutados entre os melhores elementos do magistério nacional, entre os quais destacamos: João Batista Calógeras, José Ferreira da Paixão, Barão de Tautphoeus, Emílio Chevalier, Barão de Schneeburg e Bernardo Falleti.

O Colégio Kopke foi a seu tempo, é preciso que se reconheça, um dos melhores educandários do país, referindo-se Fernando de Azevedo, ao seu Diretor, como um dos grandes batalhadores em prol da elevação dos estudos no Brasil e da renovação do ensino.

2 de janeiro de 1883

Instalação do Hotel Orleans no prédio edificado no Quarteirão Renânia Inferior, pelo Comendador Fernando de Castro de Abreu Magalhaes.

O referido Hotel, tornou-se famoso por seu conforto e luxo de suas instalações e por ter hospedado destacadas personalidades da época.

Em 2 de maio de 1891, o prédio foi adquirido pela Companhia Grandes Hotéis pertencente a Antônio Pereira de Campos, proprietário do famoso Hotel Bragança. Nesta época, o Hotel Orleans foi palco de grandes festividades, hospedando políticos e personalidade da Corte.

Os dois hotéis, o Orleans e o Bragança, comunicavam-se, segundo nos informa Walter Bretz, “por meio de rede telefônica particular”.

7 de janeiro de 1848

Nasceu Hermogênio Pereira da Silva, na Fazenda do Engenho Novo do Retiro, Freguesia de Cordeiros, Município de São Gonçalo, Província do Rio de Janeiro.

Filho de Hermogênio Pereira da Silva e de Dona Cândida Tibre Pereira da Silva, fez seus estudos preparatórios no famoso Colégio Freese em Nova Friburgo e doutorou-se em Medicina pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Ainda acadêmico, ofereceu-se ao Governo Brasileiro para servir como voluntário nos hospitais de sangue, na Guerra do Paraguai, sendo por várias vezes citado na ordem do dia, pelos relevantes serviços prestados.

Abolicionista e republicano convicto, participou de ambas as campanhas, tendo sido um dos fundadores do Clube Republicano de Petrópolis.

Sua carreira política foi extraordinária. De 1881 a 1884 integrou como vereador a Câmara Municipal do Rio de Janeiro, ocasião em que apresentou projetos de grande relevância que infelizmente não tiveram execução.

Em Petrópolis, após a Proclamação da República, foi nomeado Delegado de Polícia do Termo de Petrópolis, sendo assim a primeira autoridade republicana legalmente constituída em nossa cidade.

Eleito Deputado Estadual em 1892, foi um dos que mais se empenharam na elaboração da Constituição, cujo projeto então se discutia.

Foi vereador à Câmara Municipal em diversas legislaturas, ocupando a Presidência da mesma, à qual estavam confiadas atribuições executivas.

Petrópolis lhe ficou devendo a iniciativa e realização de vários empreendimentos, entre os quais destacamos: o abastecimento domiciliar de água potável, com a construção do reservatório do Caxambu, a iluminação pública e particular por meio de eletricidade, Companhia Tattersall Brasileira, responsável pelo tráfego de diligências entre o centro da cidade e os bairros, instalação de carros elétricos sobre trilhos, que funcionou até julho de 1939, aquisição do edifício onde funciona a Câmara Municipal, o primeiro Código de Posturas do Município de Petrópolis e tantos outros.

Os serviços por ele prestados ao Município e à sua população foram tão importantes que o saudoso historiador Antônio Machado, assim se expressou a seu respeito:

“… Sua biografia confunde-se com a história de Petrópolis nos primeiros vinte anos de vida republicana, nos quais, direta ou indiretamente, na esfera política ou administrativa, a intervenção desse dirigente de incomuns qualidades se fez sentir invariavelmente no sentido de bem servir à causa pública”.

Hermogênio Silva abandonou a vida pública em 1910 e faleceu em Petrópolis, aos 67 anos de idade, a 5 de maio de 1915.

 

Todo conteúdo até julho de 2015 já está transferido para a versão atual.
Aqui pode-se acompanhar a atividade do IHP nos últimos vinte anos, segundo os ítens constantes da aba categorias.

As inclusões de Agenda, desde 2000, já se acham na versão atual.
Para consulta, ative (1) Agenda, em Categorias da barra superior,
(2) abra a de qualquer mês,
(3) ative em Categorias à direita da tela a do ano e mês que interessar.
Para acesso à versão com o conteúdo até julho de 2015, clique aqui.

 

Desenho do brasão de Petrópolis,
segundo a descrição heráldica oficial,
Manoel de Souza Lordeiro
(+ 21/07/2008)
Texto de Notícias (a partir de 2016)
Maria de Fátima Moraes Argon 

Texto de Efemérides
Jeronymo Ferreira Alves Netto
Composição do cabeçalho,
inserido em outubro de 2016,
Mário Lordeiro,
com reprodução da Planta de Koeler
e linha do tempo a partir
da localização
da Estrada Normal da Estrela
até o Alto da Serra,
sobre reprodução de
imagem fotográfica de trecho
da Serra dos Órgãos
Coordenação do site

Manutenção e Hospedagem : SerraPlan Informática

Os textos são de exclusiva responsabilidade de seus autores.

 

brazao4MSL