OS PRIMEIROS ITALIANOS EM PETRÓPOLIS

Paulo Roberto Martins de Oliveira, ex-Associado Titular, Cadeira n.º 10 – Patrono Carlos Grandmasson Rheingantz, falecido

Petrópolis, desde 1845 até meados do século XX, foi privilegiada pela vinda de inúmeros italianos, que deram um formato especial à nossa cultura. Revelados pelos documentos históricos, depoimentos dos mais idosos e outras fontes de pesquisas que nos fornecem dados importantíssimos do belo passado petropolitano. Vale ressaltar que a primeira italiana que aqui chegou foi S. A. Imperial Dona Teresa Cristina Maria – Imperatriz do Brasil, natural de Nápoles – Reino da Itália.

O motivo principal deste estudo é precisamente dar conhecimento histórico, com dados genealógicos, dos primeiros italianos que vieram para Petrópolis.

A princípio, apresentarei o que foi possível apurar no Arquivo Grão Pará (relatórios e estatísticas da Imperial Colônia), no Arquivo da Imperial Fazenda – Cia. Imobiliária de Petrópolis (Títulos de Aforamentos Perpétuos), no Arquivo Histórico da Biblioteca Municipal de Petrópolis (requerimentos e diversos) e nos documentos e livros de registros dos Arquivos Eclesiásticos de Petrópolis e arredores (batismos, casamentos e óbitos).

Teremos um breve histórico da constituição do Quarteirão Italiano, com a origem de suas terras e com os seus primeiros foreiros.

Em ordem alfabética, teremos uma listagem com os nomes das primeiras famílias italianas em Petrópolis até as décadas de 70/ 80 do século XIX e os primeiros dados genealógicos de cada um dos primeiros imigrantes italianos.

Os dados históricos deste trabalho iniciam-se no ano de 1845, quando das primeiras notícias da presença italiana em Petrópolis, através do Relatório da Presidência da Província do Rio de Janeiro feito pelo Presidente, Sr. Aureliano de Souza e Oliveira Coutinho, dando a informação de que entre os imigrantes extra-colonos, havia um italiano na Imperial Colônia Germânica.

Em 31/12/1846, no quadro “Estatística da Imperial Colônia de Petrópolis”, anexa ao relatório apresentado em 01/03/1847, assinado pelo Presidente da Província acima citado e pelo Sr. Frederico Damcke (escrivão encarregado da estatística), constavam, entre outros de várias origens, 5 italianos, sendo 2 moradores no Quarteirão Vila Teresa, 2 no Quarteirão Vila Imperial e 1 no Quarteirão Francês.

Em 18/03/1856, conforme o que consta no Relatório Anual do Diretor da Imperial Colônia, Sr. José Maria Jacinto Rebelo, relativo ao ano de 1855 a população de Petrópolis era dividida em duas partes distintas, a saber: colonial e extra-colonial. Nesta época, havia 5010 pessoas, sendo 2704 colonos germânicos e 2306 extra-colonos e entre estes, havia 17 italianos.

Em 1862, outro trabalho estatístico, desta vez promovido pelo Major Carlos Augusto Taunay, dava conta da existência de 40 italianos com suas respectivas famílias em Petrópolis.

Uma boa parte dos italianos morava nos arredores da Fazenda Quitandinha e dos Quarteirões Siméria e Renânia Superior. Porém, mais tarde, alguns adquiriram terras no Quarteirão Italiano e nas matas destas localidades, exploravam e industrializavam o carvão vegetal.

A seguir e para o conhecimento das terras que formaram o Quarteirão Italiano, temos, através do Arquivo Grão Pará, no livro n.º 5 do ano de 1853 a 1868, com início à página 63, o denominado “Registro das Terras da Imperial Fazenda de Petrópolis”.

Primeiramente, vale mencionar que entre outras aquisições de terras, efetuadas por S. Majestade Imperial D. Pedro II para o seu patrimônio de domínio particular, constituindo e compondo a Imperial Fazenda de Petrópolis, consta como 3ª aquisição de terras a Fazenda da Quitandinha, situada na Freguesia de São Pedro de Alcântara do Município da Vila da Estrela, conforme a seguinte transcrição:

” Pegada com a sesmaria denominada do Córrego Seco; que tem 1500 braças de testada e com uma légua de fundo e parte pelo lado L (Leste) com a Fazenda do Córrego Seco com o fundo da qual faz testada recuando à Serra Geral, pelo O (oeste) com a sesmaria de Marcos da Costa e pelo S (Sul) com o Alto da Serra da Taquara, e pelo N (Norte) com a sesmaria do Velasco, cuja fazenda, pertenceu ao Major Júlio Frederico Koeler e sua mulher; por compra que fizeram a Guilherme Roiz Campos ……………..”.

Das terras da Fazenda da Quitandinha, surgiram outros quarteirões e entre eles o Quarteirão Italiano com a demarcação de 24 prazos de terras, com a denominação genérica a partir do prazo de n.º 2900 ao n.º 2924, sendo todos os prazos de 4ª Classe, demarcados pelo Engenheiro Ildefonso G. Mynsen e fazendo testada para o prazo que competiria. Vale informar que as vendas destes prazos de terras iniciaram a partir do ano de 1867, conforme abaixo descrito:

Foreiro – Lourenço GRACHO
Prazo n.º 2902 – título n.º 1401, com a superfície de 10.000 braças quadradas, com o foro e pensão anual de 10$000 (dez mil réis), pagamento de foro desde 01/07/1867 e com a escritura lavrada em 15/10/1867.
OBS.: por falta dos pagamentos dos foros, o prazo de terras foi devolvido à Superintendência.

Foreiro – Pedro TARDIT (ou TARDITO)
Prazo n.º 2903 – título n.º 1402, com a superfície de 10.200 braças quadradas, com o foro e pensão anual de 10$000 (dez mil réis), pagamento de foro desde 01/07/1867 e com a escritura lavrada em 15/10/1867.
“Aos 13/09/1886 compareceu no escritório desta Superintendência perante o Sr. Luiz Antônio Gomes Campião, Escrivão Encarregado da Superintendência a Sra. Maria Elisabeth Tardit, viúva do foreiro acima Pedro Tardit e disse que desistia do domínio deste prazo constante deste título pelos foros que do mesmo deve desde 1872, visto que tendo dois prazos (sendo o outro de n.º 2914 e título n.º 1411) neste mesmo quarteirão, só podia pagar os foros de um o que foi aceito pela Superintendência”.

Foreiro – Ângelo PRATA (filho)
Prazo n.º 2904, título n.º 1405, com a superfície de 10.000 braças quadradas, com o foro e pensão anual de 10$000 (dez mil réis), pagamento de foro desde 01/07/1867 e com a escritura lavrada em 17/10/1867.
1ª Transferência: “fica transferido este prazo ao foreiro Luiz VALCADA, por compra que fez ao foreiro acima, sendo apresentada a escritura pública, passada no Cartório do Escrivão Moret à folha 21 v. do livro 5º. Pagou 2$000 (dois mil réis) da transferência, em 08/01/1879″ e seguem outras transferências….. “.

Foreiro – Luiz PISSURNO
Prazo n.º 2905, título n.º 1406, com a superfície de 10.000 braças quadradas, com o foro e pensão anual de 10$000 (dez mil réis), pagamento de foro desde 01/07/1867 e com escritura lavrada em 21/10/1867.
OBS.: por não conseguir pagar os foros devidos, o prazo de terras foi devolvido à Superintendência em 03/07/1886.

Foreiro – Francisco Canepa Di GUETANO
Prazo n.º 2906, título n.º 1407, com a superfície de 10.000 braças quadradas, com foro e pensão anual de 10$000 (dez mil réis), com pagamento de foro desde 01/07/1867 e com a escritura lavrada em 21/10/1867.
OBS.: por não conseguir pagar os foros devidos, o prazo de terras foi devolvido à Superintendência em 03/07/1886.

Foreiro – Ângelo PRATA (pai)
Prazo n.º 2913, título n.º 1410, com a superfície de 19.174 braças quadradas, com foro e pensão anual de 12$000 (doze mil réis), com pagamento de foro desde 01/07/1867 e com escritura lavrada em 29/10/1867.
OBS.: por não poder pagar os foros devidos, o prazo de terras foi devolvido à Superintendência em 08/02/1886.

Vale ressaltar que em 14/08/1945, todos os prazos de terras acima citados foram unificados, com a denominação genérica de prazo n.º 6000, título n.º 9710, e a partir de 12/02/1969, formou-se o Núcleo Independência. Porém, os demais prazos de terras, com algumas divisões e subdivisões, ainda existem.

O Quarteirão Italiano está situado entre o Quarteirão Siméria e a região das nascentes do Córrego São Paulo, no local conhecido como Alto Independência.

No córrego acima citado, existe uma cachoeira que verte para o Tombo da Serra da Estrela, denominada de Cachoeira do Prata, homenagem popular que foi prestada ao italiano Angelo PRATA, um dos primeiros moradores desta região e que durante muitos anos trabalhou com o seu carretão de 4 rodas, transportando carvão e outros materiais.

A seguir teremos em ordem alfabética os nomes (e ou apelidos, ou sobrenomes) de famílias, dos primeiros italianos que vieram para Petrópolis, até as décadas de 70/80 do século XIX:

AGOSTINI, ALESCOI, AUGUSTINI, BARONO, BARONTO, BAZANO (ou BOZANO), BATTILANI (ou BOTTILANI), BELDRACO, BENUTE ( ou BERRUTE / BERRUTI), BERGER, BERNARDO, BERRINI, BERTHOLUSI, BONINI, D’all ORTO, DELPORTO, Di GUETANO, FERRARI, FOGLIA, GHINAMO, GILALDINI, GIVETTI (ou GIVOTTI), GOFREDO, GRACHO, LAZANI (ou PAZANI), LENERA (ou LEVERA), LUCCKESI, MANCHON, MATTEI, MONTEBIANCO, MUNCHAM (ou MUNCHAN), NEGRI (ou NEGRY), PARMA, PISSURNO, POZZI, PRATA, RAISSEND (ou RAISSENDI), REBOLDI, REGAZZI, REINARDO, RICCIARDI, SICURÉ (ou SICUSÉ), SOMAINI, TANCREDO, TARDIT (ou TARDITO), VACCANI e VALCADA (ou VALCALDA).

Diferente de outros povos, o apelido ou sobrenome de família do povo italiano vem à frente do nome, porém neste estudo, me limitei a transcrever os dados completos de identificação de cada pessoa, exatamente como estão registrados nos diversos documentos desta pesquisa. Além da troca de posição do sobrenome, na maioria dos casos, foram também os nomes traduzidos para o idioma português. Exemplo: Pietro para Pedro, Giuseppe para José, Luigi para Luiz, Luigia para Luiza e assim por diante.

No decorrer dos apontamentos genealógicos, saberemos, também, quais foram os primeiros “Ítalos-Petropolitanos”, ou seja, os nascidos em Petrópolis, filhos de pais italianos.

OBS.: Pelas testemunhas e ou padrinhos nos casamentos e batizados apontados nos dados genealógicos, foi possível identificar outros italianos que habitavam Petrópolis nas datas específicas deste trabalho.

DADOS GENEALÓGICOS DOS PRIMEIROS ITALIANOS EM PETRÓPOLIS

BERGER Pedro, natural da Sardenha – Itália, casou-se no Oratório de N. Sra. da Assumpção desta Freguesia de Petrópolis (L. 1 – p. 4 v.) em 22/08/1849, com Maria Catharina Jacob, natural do Reino da Alemanha, na presença de Johann Jakob (seu pai) e da testemunha Jean Müller.

Luigi BARONTO – de profissão estatuário, era casado com Elisabeth Bryant, natural da Inglaterra (em 1845/46, estavam em Petrópolis). Foram pais de:
I-1. – Seraphine Elise BARONTO, nasceu em 1841 em Londres e foi batizada na cidade de York, na Inglaterra. Casou-se em Petrópolis (L. 1 – p. 51 v./52) em 30/11/1859 com Joaquim da Silva Leite, nascido e batizado na Freguesia de Santa Leocádia – Arcebispado de Braga – Portugal. Era filho de Domingos José da Silva Leite e de Maria Joaquina Ferreira e foram pais de dois filhos: José Augusto e Elisa Adelina da Silva Leite.
I-2. – Theresa Luiza BARONTO, nasceu em Petrópolis em 14/04 e foi batizada (L.1 – p. 79) em 27/04/1851. Foram seus padrinhos o Imperador D. Pedro II e a Imperatriz Dona Theresa Christina. – Theresa Luiza casou-se em Petrópolis (L.2 – p. 14) em 15/10/1865 com Ricardo Farley (morador em Vassouras – RJ), nascido e batizado em Londres – Inglaterra em 1841, era filho de Ricardo Farley (falecido) e de Luiza Tripp (ou Fripp).
I- 3. – Guilhermina BARONTO, nasceu em Petrópolis em 20/11/1853 e foi batizada (Livro extra de 1854, na pág. 6 v.) em 19/04/1854 e + 19/08/1854.

João Baptista D’all ORTO era casado com Maria Francisca GOFREDO D’all ORTO (naturais da Itália). Foram pais de:
I-1. – Theresa D’all ORTO, casada na Itália com Francisco BERTHOLUZI. Foram pais de:
II-1. – Isabel BERTHOLUZI, nascida em Petrópolis em 01/02 e batizada (L.3 – p.29) com 3 meses de idade em 01/05/1855 e falecida em Petrópolis (L.1 – p. 61 v.) em 16/09/1861.
I – 2. – Virgínia Joanna Filomena D’all ORTO – italiana, casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 15) em 01/05/1855 com Pedro Guerin – francês, filho de Miguel Guerin e de Joanna Bellow.
I-3. – Philomena Isabel Magdalena D’all ORTO – italiana, casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 15) em 01/05/1855 com João REGAZZI – italiano, filho de José REGAZZI e de Maria ……….. REGAZZI. Foram pais de:
II-1. – José REGAZZI, nascido em Petrópolis em 26/09 e bat. (L.3 – p.55) em 04/10/1856.

GHINAMO Stephan, casado com ……….. Magdalena (italianos). Foram pais de:
I-1. – Giusepe, n. na Freguesia de Boven – Diocese de Cunco, no Piemonte – Itália. Casou-se na Igreja de N. Sra. da Piedade de Inhomirim (Livro de 1847/1879 – p. 25) em 07/09/1857 com Clementina Müller, n. e b. na Freguesia de Bhinherg – Gran Ducado de Bach, no Reino da Prússia – Alemanha, filha de João Nicolau Müller e de Francisca Carolina …….. (Müller) – ambos moradores em Petrópolis. Foram pais de:
II-1. -Estevão João Hortence GHINAMO, n. 12/11/1858 e b. Petrópolis (L.4 – p. 2) em 13/02/1859.

Carlos PISSURNO, n. Itália em 1792 e + Petrópolis (L.1 – p. 75) em 01/06/1863, no lugar Quitandinha. Era casado com Catharina ……. PISSURNO e vieram para o Brasil / Petrópolis com 3 filhos: Luiz, Lourenço e Magdalena PISSURNO.
I-1. – Luiz PISSURNO, n. na Itália em ..?.. Casou-se na Freguesia de Malleré (ou Molleré) – Arcebispado de Gênova, na Itália, com Magdalena VOLCADA (ou VALCADA). Eram moradores na região do Quitandinha em Petrópolis. Foram pais de:
II-1. – Luiz PISSURNO, n. na Freguesia de Maleré, no Arcebispado de Gênova – Itália em 1849.
II-2. – Catharina PISSURNO, n. na Freguesia de Maleré, no Arcebispado de Gênova – Itália em 1850. Casou-se em 1868 com Angelo PRATA. Ver a família PRATA mais adiante.
II-3. – João PISSURNO, n. na Freguesia de Maleré, no Arcebispado de Gênova – Itália em 1852.
II-4. – Margarida Maria PISSURNO, n. Petrópolis em 07/06 e b. (L.4 – p. 90) em 10/06/1864. Foram seus padrinhos: Lourenço PISSURNO e sua mulher Margarida FERRARI PISSURNO.
II-5. – Magdalena Angela PISSURNO, n. Petrópolis em 18/02 e b. (L.5 – p. 54 v.) em 30/03/1868. Foram seus padrinhos: Angelo PRATA Junior e Catharina PISSURNO (solteiros).
II-6. – Francisca Angela Maria PISSURNO, n. Petrópolis em 07/08 e b. (L.5 – p. 98 v.) em 18/09/1870. Foram seus padrinhos: João PISSURNO (irmão da batizada) e Francisca PISSURNO (prima da batizada) – solteiros.
I-2. – Magdalena PISSURNO, n. na Itália em 1836 e + Petrópolis (L.1 – p. 75 v.) em 23/04/1863 (solteira).
I-3. – Lourenço PISSURNO, n. na Itália em 1820 e + Petrópolis (L.2 – p. 86 v.) em 18/07/1877. Casou-se na Freguesia de Santa Eugenia (ou Lugenia) – em Altare (ou Altore), na Vila do mesmo nome, no Bispado de Acqui – Reino da Sardenha – Itália com Margarida FERRARI, filha de Jacomo FERRARI e de Maria D’all ORTO FERRARI. Foram pais de:
II-1. – João PISSURNO, n. Petrópolis em 18/10 e b. (L.3 – p. 37v.) em 04/11/1855.
II-2. – Francisca PISSURNO, n. Petrópolis em 05/07 e b. (L.3 – p. 71) em 23/08/1857.
II-3. – Maria Magdalena PISSURNO, n. Petrópolis em julho de 1859 e b. (L.4 – p. 10) com algumas semanas de idade. Foram seus padrinhos: Bernardo BARONO (italiano) e Maria Margarida Gall.
II-4. – Luiza Maria Margarida PISSURNO, n. Petrópolis em 25/12/1860 e b. (L.4 – p. 35 v.) em 21/04/1861. Foram seus padrinhos Philippe BERRUTI e sua mulher Margarida ……. BERRUTI (italianos – moradores na Corte). – Luiza casou-se em Petrópolis (L.3 – p. 24) em 11/11/1874 com João Marques Corrêa, n. em 1854 e batizado na Freguesia de Iguaçu, no Rio de Janeiro, filho do falecido Manoel Marques Corrêa e de Delphina Maria de Jesus.
II-5. – Hernani (ou Henrique) PISSURNO, n. Petrópolis em 16/12/1862 e b. (L.4 – p. 63 v.) em 01/01/1863.
II-6. – Adelaide Theresa Maria PISSURNO, n. Petrópolis em 23/07 e b. (L.5 – p. 15 v.) em 27/11/1865 e + Petrópolis (L.2 – p. 90 v.) em 27/11/1877, com 12 anos de idade no lugar de Cascatinha.
II-7. – Irena Maria Catharina PISSURNO, n. Petrópolis em 03/05 e b. (L.5 – p. 39) em 04/06/1867. Foram seus padrinhos: Bartholomeu PARMA (italiano – casado) e Catharina PISSURNO (solteira).

Antônio RICCIARDI, n. Bolano, Bispado de Serzona, no Piemonte – Itália em 1839 e +…?…, filho de Francesco RICCIARDI e de Maddalena BATTILANI (ou BOTTILANI). Casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 50) em 09/09/1859 com Barbara Reinsfeld, n. Gross – Wintershein, no Darmstadt – Alemanha em 1841 e +…?…, filha do colono germânico Paul Reinsfeld e de Margareth Thorm. Foram pais de:
I-1. – João RICCIARDI, n. e b. em Petrópolis (L.4 – p. 32) em 26/01/1861 e + Petrópolis (L.1 – p. 83) em 20/08/1864.
I-2. – Catharina RICCIARDI, n. Petrópolis em 10/04 e b. (L.4 – p. 51 v.) em 27/04/1862 e + Petrópolis (L.1 – p. 76 v.) em 18/10/1863.
I-3. – Felício Francisco RICCIARDI, n. Petrópolis em 05/05 e b. (L.4 – p. 89) em 13/06/1864 e + Petrópolis (L.1 – p. 90 v.) em 25/08/1865.

Giovani LUCCKESI, n. e b. na Freguesia de São Miguel Archanjo, no Ducado de Luna – Reino da Toscana – Itália em 1830, filho de Policarpo LUCCKESI e de Agatha ……. (LUCCKESI). Casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 70) em 30/09/1861 com Umbelina Rosa Pinto, n. e b. na Vila Nova, no Arcebispado de Braga – Portugal em 1828, filha de João Pinto e de Eugênia ……. Pinto. Tiveram como testemunhas do seu casamento: Luigi AGOSTINI (casado) e Alexandre MATTEI – italianos (solteiros) e moradores em Petrópolis.

DELPORTO Pietro Di Giovani, n. e b. na Freguesia de Zucca, no Bispado do mesmo nome – Itália em 1837, filho de DELPORTO João e da finada Theresa ALESCOI. Casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 72) em 19/12/1861 com Rosa Maria Catharina BERNARDO, n. e b. na Freguesia de Rosolbogliano, Província e Bispado de Alexandria, no Jouvenha (ou Jovenha) – Itália em 1843, filha de Emmanuel Giovani BERNARDO e de Catharina …….. BERNARDO. – O nubente era morador na Freguesia de Santa Cruz dos Mendes neste Bispado e a nubente era moradora em Petrópolis. Tiveram como testemunhas do seu casamento: Lourenço PISSURNO (casado), morador em Petrópolis e José MONTALTI – italianos (solteiros).

Pietro TARDITO (ou TARDIT), n. e b. em Rossilione – Bispado de Mandeville, no Piemonte – Itália em 1830, filho de Antônio TARDITO (+ Petrópolis (L.2 – p. 15), com 75 anos de idade, na casa deste filho) e de Catharina TABITO. Casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 76) em 14/05/1862 com Maria Elisabeth Adams, n. Petrópolis em 25/08/1849, filha do finado Mathias Adams e de Catharina Klein (colonos germânicos). Foram pais de:
I-1. – Lourenço TARDITO, n. Petrópolis em 27/01/1866 e b. (L.5 – p. 21 v.) em 11/02/1866.
I-2. – José TARDITO, n. Petrópolis em 02/03/1869 e b. (L.5 – p. 69 v.) em 14/03/1869. Foram seus padrinhos: José PRATA e Maria Luiza Witsmann (solteiros).

Bernardo BAZANO (ou BOZANO), n. e b. na Freguesia de Malére, no Bispado de Mondovi – Reino de Jarvegna – Itália em 1835, filho de Antônio BOZANO e de Catharina …… BOZANO. Casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 82 v.) com Thereza FERRARI, n. e b. na Freguesia de Altare – Bispado de Acqui, na Itália em 1840, filha de Jacob FERRARI e de Maria …….. FERRARI. Tiveram como testemunhas: Conrado PAZANI (ou LAZANI), Michelli POZZI e Giovane GIVOTTI (ou GIVETTI), italianos e moradores em Petrópolis. Foram pais de:
I-1. – Lourenço BAZANO (ou BOZANO), n. Petrópolis em 31/08 e b. (L.4 – p. 92v.) em 16/09/1864. Foram seus padrinhos: Lourenço PISSURNO e sua mulher Margarida FERRARI.
I-2. – Luiz Ernesto Eugênio BAZANO (ou BOZANO), n. Petrópolis em 13/11 e b (L.5 – p. 15 v.) em 27/11/1865.
I-3. – Augusto Antônio Francisco BAZANO (ou BOZANO), n. Petrópolis em 29/03 e b. (L.5 – p. 55) em 07/04/1866. Foram seus padrinhos: Agostinho MONTEBIANCO e Francisca PISSURNO. Eram solteiros, italianos e moradores em Petrópolis.
I-4. – João Luiz Ernesto BAZANO (ou BOZANO), n. Petrópolis em 21/06 e b. (L.5 p. 94 v.) em 02/07/1870.

Dominique SOMAINI, n. e b. em Mogliazo – Distrito e Bispado de Como, na Itália em 1834, filho de Pietro SOMAINI e de Madalena FOGLIA. Casou-se em Petrópolis (L.1 – p. 79v./80) em 07/06/1862 com Catharina Hoenes, n. e b. em Mainz – Alemanha em 1839, filha dos colonos germânicos Jacob Friedrich Hoenes e de Anne Margareth Theuerkanpf. Foram pais de:
I-1. – Pedro SOMAINI, n. Petrópolis em 04/12/1862 e b (L.4 – p. 66 v.) em 07/03/1863.Foram seus padrinhos: Pedro BERRINI (italiano) e sua esposa Antonieta Bloch (moradores em Petrópolis).
I-2. – Guilherme SOMAINI, n. Petrópolis em 29/01 e b. (L.5 – p. 6) em 04/06/1865.
I-3. – José Emílio SOMAINI, n. Petrópolis em 25/08 e b. (L.5 – p. 46 v.)em 29/09/1867.

Luigi Maria VACCANI, italiano – casado na Itália com Maria da Glória …… VACCANI. (OBS.: por volta de 1846 / 47 Luigi deixou a esposa no Brasil e retornou para a Itália) Foram pais de:
I-1. – Maria Adelaide VACCANI, n. e b. na Corte – RJ em 1846. Em estado civil de solteira e com Felisberto Alexandrino Drumond (viúvo), foram pais naturais de:
II-1. – Antônio VACCANI, n. Petrópolis em 04/01 e b. (L.4 – p. 68) em 07/04/1863 e + Petrópolis (L.1 – p. 74) em 18/04/1863.
I-1. – Maria Adelaide VACCANI (acima mencionada), aos 19 anos de idade, casou-se em Petrópolis (L.2 – p. 10) em 11/03/1865 com Cândido José Valle de Almeida, n. e b. na Corte – RJ em 1840, filho dos falecidos Joaquim Antônio de Almeida e de Ludovina Joaquina ….. de Almeida. Foram pais de:
II-2. – Francisco Valle de Almeida, n. Petrópolis em 19/11 e b. (L.5 – p. 16v.) em 18/12/1865.
II-3. – Hermogenes Valle de Almeida, n. Petrópolis em 01/01/1869 e b. (L.5 p. 84 v./85) em 19/03/1870.

Miguel VACCANI, natural da Itália – solteiro, + Petrópolis (L.1 – p. 49 v.) com 51 anos de idade em 27/05/1860. Por volta de 1846 / 47, passou a viver com a cunhada Maria da Glória ….. VACCANI (casada que era com Luigi VACCANI) e foram pais naturais de:
I-1. – Maria Isabel VACCANI, n. na Corte – RJ em 12/07/1848 e b. Petrópolis (L.4 – p. 41 v.) com 13 anos de idade em 12/08/1861. Casou-se em Petrópolis (L.2 – p. 5 v./6) em 08/09/1864 com José Ferreira da Paixão, n. e b. na Freguesia de São José da Boa Morte deste Bispado em 1837, filho do finado Francisco José da Paixão e de Rosa Maria Ferreira. A solenidade religiosa deste casamento foi realizada na casa do nubente, no Quarteirão Nassau.
I-2. – Miguel José VACCANI, n. 02/01/1850 (fora de Petrópolis) e b. em Petrópolis (L.4 – p. 41) com 11 anos de idade em 12/08/1861.
I-3. – José VACCANI, n. Petrópolis em 15/02/1859 e b. (L.4 – p. 41 v.) com 3 anos de idade em 18/03/1861 e + Petrópolis (L.1 – p. 75) em 05/06/1863.

Ângelo PRATA, n. e b. na Freguesia de Krépia – Bispado de Gênova – Itália em 1812 e + Petrópolis em 17/06/1904. Era casado com Maria Dominica SICUSÉ (ou SICURÉ). Foram pais de:
I-1. – Ângelo PRATA, n. e b. na Freguesia de Krépia – Bispado de Gênova – Itália em 1847 e + ..?… Casou-se em Petrópolis (L.2 p. 43) em 04/06/1868, com Catharina PISSURNO, n. e b. na Freguesia de Maleré – Bispado de Gênova – Itália em 1850 e + ..?.., filha de Luigi PISSURNO e de Madalena VALCADA. (Eram todos moradores na região da antiga Faz. Quitandinha – Quarteirão Italiano) Foram pais de:
II-1. – Maria Catharina Ângela PRATA, n. Petrópolis em 14/03 e b. (L.5 – p. 70) em 27/03/1869.
II-2. – João Francisco Ângelo PRATA, n. Petrópolis em 18/08 e b. (L.5 – p. 98 v.) em 18/09/1870.
I -2. – José PRATA, n. e b., na Freguesia de Queabra – Bispado de Gênova – Itália em 1856. Casou-se em Petrópolis (L.3 – p. 98 v.) em 17/01/1880 com Albina da Silveira Machado, n. e b. na Freguesia de Inhomirim em 1863. Era filha de Domingos da Silveira Machado e de Antônia Joaquina dos Santos.

Através dos livros números 1 e 2 de óbitos da Igreja Matriz São Pedro de Alcântara de Petrópolis, temos alguns italianos, que da maioria não encontrei descendentes em Petrópolis. Foram eles:

Severo NEGRI (ou NEGRY), natural de Nápoles – Itália, solteiro com 24 anos de idade, + Petrópolis (L.1 p. 6 v.) em 24/01/1855.

José MUNCHAM, italiano – casado, com 42 anos de idade, + Petrópolis (L.1 – p. 26) em 27/02/1857. Com febre amarela.

José REBOLDI, italiano – solteiro, com 20 anos de idade, + Petrópolis (L.1 – p.26) em 05/03/1857. Com febre amarela.

João GILARDINI, nascido na cidade de Bressan, no Reino Lomboredo Venitiano – Itália, solteiro com 27 anos de idade, + Petrópolis (L.1 – p. 36 v.) em 29/12/1858. Faleceu de desastre.

Anna AUGUSTINI, natural da Romanha ou Estados Pontifícios, na Itália – viúva com 68 anos de idade, moradora que era no lugar denominado Barramansa (Pedro do Rio) – desta Freguesia, + Petrópolis (L.1 – p. 42) em 17/06/1859. Com hepatite.

Rosa, com algumas semanas de vida, filha legítima do italiano Thiago RAISSEND (ou RAISSENDI) e de sua mulher Mariana ….., + Petrópolis (L.1 – p. 43 v.) em 15/08/1859.

REINARDO Antônio, italiano – solteiro, com 40 anos de idade, + Petrópolis (L.1 – p. 43 v.) em 30/08/1859,

Benedicto MORENA (ou MOSENA), napolitano – casado, com 28 anos de idade, + Petrópolis (L.1 – p. 48 v.) em 17/03/1860.

Lourenço TANCREDO, napolitano – solteiro, com 25 anos de idade, + Petrópolis (L.1 – p. 53) em 16/10/1860. Faleceu no hospital da cidade com tuberculose pulmonar.

Emilieta, com 35 anos de idade, casada que era com Lourenço BELDRACO – naturais da Itália. + Petrópolis (L.1 – p. 70/70 v.) em 17/11/1862, em Casa de Saúde do Dr. Touzet.

Maria LEVERA (ou LENERA), italiana – com mais ou menos 29 anos de idade, + Petrópolis (L.1 p. 72 v.) em 11/02/1863, no lugar Quitandinha.

José, com 6 meses de idade, filho do italiano Ricardo MANCHOM, + Petrópolis (L.2 – p. 10) em 18/01/1868.

Alfredo, com 18 meses de idade, filho dos italianos Philomen e Rosa BERRUTE (ou BENUTE), + Petrópolis (L.2 – p. 15 v.) em 29/01/1869, na casa de Lourenço PISSURNO.

Entre os primeiros italianos que vieram para Petrópolis, houve alguns em posição de destaque na sociedade petropolitana, foram eles:

Cristóvão BONINI (arquiteto), Luiz BERRINI (empresário), Pedro BERRINI (comerciante) e Luigi BARONTO (estatuário).

AGRADECIMENTOS:
Aos Príncipes Dom Pedro Carlos e Dom Afonso de Orleans e Bragança por, respectivamente, autorizarem as consultas nos arquivos Grão Pará e Superintendência da Imperial Fazenda de Petrópolis.
À Sra. Norma Daldin e demais funcionárias da Cia. Imobiliária de Petrópolis, por me facilitarem as pesquisas nesta empresa.
À Sra. Marisa (Chefe do Arquivo da Sala Petrópolis) da Biblioteca Municipal de Petrópolis, por me facilitar as pesquisas, nas pastas dos requerimentos e em diversos outros documentos relacionados a Petrópolis.
Ao Padre JAC e a seus secretários Carlos e Alexandre da Igreja Matriz Catedral São Pedro de Alcântara, por me facilitarem as pesquisas nos livros eclesiásticos.