IRINEU CORRÊA: UM PETROPOLITANO DOS EUA PARA O TRAMPOLIM

Oazinguito Ferreira da Silveira Filho, associado titular, cadeira n.º 13, patrono Coronel Amaro Emílio da Veiga

Irineu Meyer Corrêa da Silva, petropolitano, descendente de colonos pela linha materna, filho de Mário Corrêa da Silva, modestíssimo comerciante e de Mathilde Meyer da Silva, nasceu em 24 de janeiro de 1900.

Irineu era apelidado pelos familiares de Dário, um jovem apaixonado por automobilismo desde que os viu aparecer nas ruas de Petrópolis em meados do século XX, principalmente o importado pela família Guerra.

Estudou no Instituto Gratuito São José, da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus dos Frades Franciscanos, e era o mais velho de oito irmãos.

Aos 13 anos de idade, resolveu, sem qualquer conhecimento de seus familiares, se enveredar pelo mundo como aventureiro. Embarcou escondido em um navio para os EUA, a terra do automobilismo, que anos mais tarde observaria o sucesso de Henry Ford, com sua indústria e seu famoso modelo T e seu sistema revolucionário de produção.

Irineu estava atraído pelas fascinantes máquinas que lá eram produzidas, permanecendo por exatos sete anos, o suficiente para se tornar aprendiz e alçar-se a condição de profissional, não somente como mecânico, mas também como piloto.

Foi nos EUA que também aprendeu a desenvolver a ginástica, modismo típico da Belle Époque que corria pela Europa e desembarcava no Novo Mundo. Em especial, a ginástica hoje considerada item essencial para quem se dispuser a longas jornadas automobilísticas, o que dirá em sua época com os rallyes em moda.

Estrangeiro, adolescente, pioneiro brasileiro no exterior, Irineu estabeleceu-se na Philadelphia, exatamente na cidade de Trenton e posteriormente em Detroit, a terra das futuras fábricas de automóveis. Participou de inúmeras corridas de milha, as chamadas pistas de terra, rurais, herdeiras das atuais pistas ovais da atual Indy, onde obteve algumas vitórias. Apresentou-se também nas pistas de meia milha, com bons resultados. Semelhante arrojo conduziu pilotos brasileiros a também embarcarem para os EUA, com semelhante objetivo, seguindo sua trilha.

Retornou ao Brasil por volta de 1920. Nesta época, o automobilismo em nossa terra não passava de um número a mais nas atrações circenses, ou em rallyes (os famosos raids). Em nosso país, o limiar do profissionalismo automobilístico ficara restrito ao pioneirismo de duas provas. A primeira corrida de carros realizada no Brasil e na América do Sul aconteceu em 26 de julho de 1908, em São Paulo. O vencedor foi Sylvio Álvares Penteado, pilotando um Fiat e aclamado como herói por uma multidão. Somente em 1916 é que os carros voltariam a circular em São Paulo disputando uma corrida, quando um grupo de pilotos resolveu disputar uma prova num percurso entre São Paulo e Ribeirão Preto, um rallye. Esta prova foi romanceada em “Anarquistas Graças a Deus” de Zélia Gattai.

No Rio, Irineu dedica-se à mecânica profissional como seu ato de sobrevivência, já que à época raros eram os mecânicos bons e muito bem pagos. E logo casa-se com Zina Fayão, tendo deste casamento uma filha. E participa de alguns rallyes (raids) de resistência entre as cidades, por velhos caminhos de terra que conduziam carroças e carruagens, mas que eram o desabrochar do automobilismo brasileiro.

Irineu vivia uma era “romântica”, quando coragem e heroísmo eram quase tudo do que pilotos dispunham para suas aventuras. Os patrocinadores não existiam, o que havia, na melhor das hipóteses, eram alguns poucos mecenas comerciais. A segurança não ia além dos característicos capacetes de couro e de um sumário macacão, que pelo menos tinha o mérito de ser elegante. Os pneus para os autos eram estreitos, ofereciam pouca aderência e obrigavam os pilotos a fazer milagres nas freadas.

Irineu chegou a participar em 1927 do Circuito de Outono de Porto Alegre, onde se consagra campeão, e segue deste para a Argentina, onde o automobilismo já começava a despontar como modalidade esportiva com a presença de inúmeros europeus, e participa do Grande Prêmio Nacional Argentino, onde em 1929 chegou na segunda colocação e em 1930, obteve um 3º lugar. Ainda em 1930, participou do Grande Raid Buenos Ayres-Rosário-Cordobá, para o qual concorreram inúmeros pilotos europeus de várias nacionalidades e famosos no circuito internacional, e sagra-se campeão. Segue então para o Rio de Janeiro, onde participa da Maratona de Resistência entre Rio e São Paulo, batendo o recorde de velocidade além do de duração mínima da prova.

Ainda em 1929, participa da fundação do Automóvel Club do Brasil no Rio de Janeiro, convidado que foi, e se faz presente em 1932 na Caravana Automobilística “Subida da Montanha”, Rio-Petrópolis, realizada em 28 de fevereiro de 1932, que foi ganha pelo corredor alemão e campeão europeu, o Barão von Stuck.

Foi um dos encarregados pelo Automóvel Club do Brasil, pertencendo assim à comissão organizadora, na idealização do Circuito da Gávea em 1932 e na confecção do itinerário da pista, participando da corrida em 33, que foi a primeira prova brasileira do Calendário Internacional de Automobilismo. Com 11.160 metros de extensão, o circuito era bastante sinuoso. Cerca de dois quilômetros eram em subida, com um desnível de 170 metros – característica que não existe mais nas pistas modernas -, exigindo muito torque dos motores. O desnível fazia parte das preferências da época e foi celebrado num tipo especial de prova, que muitos como Irineu participaram, a Caravana Automobilística “Subida da Montanha”, Rio-Petrópolis, encerrada em 1932.

Irineu Corrêa não parou de revolucionar, até na área mecânica. O problema na época consistia em fazer o carro não morrer quando fosse parar para o abastecimento. Procede então ao cálculo do combustível necessário e realiza uma adaptação, levando um litro de óleo que depositava no cárter durante a corrida por intermédio de um dispositivo que desenvolvera, o que conseqüentemente aumentava o depósito de nafta, um recurso perigoso, mas que foi tão bem sucedido sendo assimilado por todos os demais competidores.

Em 1933, para o Primeiro Grande Prêmio, preparou um Chrysler 42, e durante a largada tem a bengala do auto partida, o que o coloca fora da competição. Neste ano, o vencedor foi Manuel de Teffé, carregado em triunfo pelo público, e que recebeu logo após sua vitória um telegrama de Benito Mussolini, ditador italiano que se sentiu envaidecido com a vitória internacional, pois Teffé pilotava um Alfa Romeo.

Teffé se fazia constantemente presente em Petrópolis durante os veraneios familiares, pois sua família possuía moradia e era visível seu parentesco com a primeira dama, a petropolitana Nair de Teffé. Manuel de Teffé, também esteve envolvido na cidade com um processo resultado de um atropelamento em plena Avenida XV de Novembro na mesma década, e que trouxe verdadeiros dissabores pela mídia que o qualificara de “filhinho de papai”.

Em 1934, Irineu trabalhava em seu carro em uma oficina do Flamengo e nos fins de semana nas oficinas de uma concessionária Ford em Petrópolis, que atendia aos veranistas. Esta oficina localizava-se ao lado da Tribuna de Petrópolis, onde atualmente é o Edifício Esperanto.

Auxiliado pelos engenheiros, Henrique Cathiart e por Silvio Barbosa Bentes, montara a “baratinha 90″, sobre um chassis Bugatti com Motor Studebaker, conseguindo a incontestável vitória no Circuito da Gávea em 1934, apesar de ter largado em último, e havendo vencido a prova depois do abandono de Chico Landi, que estreava naquele ano.

Mas como toda corrida que se preze, quiseram por intermédio de inúmeras ações retirar-lhe o título de campeão, acusando-o de usar óleo diferente, uma combinação anormal e não considerada técnica para a época, mas que não resultou em maiores complicações.

Na edição de 1935 do Circuito, Irineu Corrêa, a bordo de um Ford, perde a vida, quando seu carro caiu no canal da avenida Visconde de Albuquerque. Um triste fim, para um jovem desportista promissor de 35 anos, vítima do célebre Trampolim do Diabo. Um petropolitano famoso.