JÓIAS PETROPOLITANAS

Fernando de Souza Costa, associado titular, cadeira n.º 19, patrono Galdino Justiniano da Silva Pimentel

A Escola de Música Santa Cecília está a completar 118 anos de profícua existência.

Sua fundação data de 16 de fevereiro de 1893.

E o Teatro Santa Cecília que funciona no prédio da Escola está a completar o seu 56º aniversário.

E a festa será naquele local, às 19h do dia 28 de setembro próximo e os ingressos custarão R$.5,00, cuja renda será revertida em prol das obras sociais da Instituição. Nomes como os de Marly Machado – nossa rainha, dos músicos Paulo Gantzel e Ilton Esteves, dentre outros, abrilhantarão o evento.

Tanto o teatro baluarte das artes cênicas e a Escola são um patrimônio artístico e cultural em pleno funcionamento.

A Escola tem como fim basilar a manutenção do ensino musical e outras manifestações de arte e cultura o que inclui o teatro, nossa jóia rara. Principalmente aqueles militantes nas diversas Instituições culturais, artísticas e benemerentes, têm plena consciência das dificuldades que as permeiam. E neste diapasão dirigimos os aplausos à tão insigne Escola, símbolo de idealismo e elevado senso de servir, pois conta com homens da mais alta envergadura, pela estatura moral, cultural e dedicação ao magistério e ao apostolado. Segue em sua íntegra o mandamento de Cristo no “amai a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo.

Petrópolis e a música não se cansam de louvar e agradecer ao Maestro Paulo Carneiro, que por seus méritos, recebeu em vida, dentre outros lauréis a “Grande Medalha de Ouro” concedida por S.A.I.R. Imperador Dom Pedro II.

Nomes da maior relevância e abnegação ajudaram a constituir e a prosseguir a magnífica obra cultural, artística e social.

Ponho em relevo alguns nomes não seguindo uma ordem, nem época, penitenciando-me desde já pela não inclusão de outros tantos merecedores dos encômios e reverências, mas que constituem a senda de mecenas e bravos Anjos Tocheiros que iluminaram e fazem refulgir a magnífica obra cultural e artística.

Dentre eles Reinaldo Antônio da Silva Chaves, Walter Eckhardt, Sanctino Carneiro, filho do Maestro Paulo Carneiro, que abriu mãos de todos os bens do pai, notadamente os instrumentos musicais e a própria Escola, a insigne pianista Madalena Tagliaferro (aluna do maestro fundador,) compositor Cesar Guerra Peixe, o maestro, compositor e pesquisador Ernane Aguiar, Joaquim Heleodoro Gomes dos Santos, Joaquim Eloy Duarte dos Santos e o irmão Paulo Santos (ex-Presidentes,) Professores Deoclécio Damasceno de Freitas, Adelaide Carneiro, João B. Pires, Maria S. Carvalho, João Baptista Maul, Francisco Chaffieli, Walter Echardt, Dr. Paula Buarque, a extraordinária caricaturista e intelectual Nair de Teffé Hermes da Fonseca, seu atual Presidente Dr. Mauro Carneiro Senna, o Corpo Docente e Discente atual e equipe de funcionários que honram a nobre Arcádia Cultural, dentre os quais a Senhora Ângela Badaró, merecedores do demorado abraço e aplausos porque juntos a seu fundador, co-fundadores, Diretores, benfeitores e ex-presidentes, vêm escrevendo a ouro a história da Imperial Cidade de Petrópolis.