de Antônio Izaías da Costa Abreu, Associado Titular, Cadeira nº 3 –

Os sírio-libaneses, costumeiramente denominados “turcos” em razão de terem a Turquia como porta de saída do Oriente pois lhes fornecia o passaporte de emigração, são os estrangeiros que mais se adaptaram aos nossos costumes, possivelmente pela docilidade de temperamento, por professarem a mesma religião, serem pacientes e adotarem, em definitivo, a nova terra como a pátria, destruindo qualquer intenção de retorno à terra de origem.

Aqui deram os primeiros ensaios como imigrantes efetivamente a partir do início do século XIX e, com o desenvolvimento da cultura cafeeira, fortaleceram a corrente migratória para o Brasil.

Descendentes dos fenícios, comerciantes natos como os antepassados, tinham facilidade para mercancia.

Ao aqui chegarem, muitos deles, com um baú às costas, cortando várzeas, vencendo morros, atravessando córregos e rios aproximaram-se das fazendas onde, de início, com fala não inteligível expunham suas mercadorias.

Posteriormente, após algumas economias, “o bom turco” adquiria um burrico para varar o longo e penoso percurso, e lá ia ele à frente puxando o animal, agora não mais com miçangas, botões, alfinetes, agulhas, colchetes, dedais, fitas, ligas, elásticos, meias, grampos para cabelos, espelhos, sabonetes, extratos e outros artigos de toucador, como nos primeiros tempos, mas com tecidos finos como seda, lingerie, organza, organdi, linho, cambraia, voil, crepe, tafetá, rendas guipir e richelieu, tudo que o apurado gosto exigia. As vendas eram certas e o pagamento, ainda que a prazo, “era dinheiro contado”, pois “o calote”, era palavra inexistente na cartilha dos compradores.

Depois de algum tempo, outro animal era adquirido, desta feita para sua montaria.

E assim, numa faina incessante, durante anos no “mascate”, conseguia “o turco” amealhar algum dinheiro para, afinal, se fixar numa vila distrital, principalmente em zona cafeeira de grande população e circulação de riqueza visível.

Numa casinha modesta com poucos cômodos, mas com terreno suficiente para ampliação se estabelecia o “filho do Líbano” com sua família. Era o raiar de uma nova vida.

Ele não ficaria mais tantos dias ausente e distante da esposa e haveria, doravante, de ter tempo para dispensar aos filhos, inclusive com a educação.

Quanto à alimentação, embora já estivesse ele adaptado ao paladar nacional, sua mulher poderia oferecer-lhe refeições que o fizessem recordar de Richi Maya, Tiro, Sídon e Beirute – como as saladas de pepinos “ao vinagrete”, cortados ao comprido; as coalhadas secas, regadas ao azeite de oliva, saboreadas com nacos de pão; a esfirra de acelga ou carne moída; o quibe cru com bastante cebola e hortelã, frito ou assado, o último denominado “de bandeja”; hamis; tabule; kafta e outras iguarias que o fartavam ao ponto de, após o regalo tirar um breve cochilo, e se refazer para dar continuidade às suas atividades.

Costumeiramente “o turco” dava ao estabelecimento o seu próprio nome, v.g. “Casa Mansur”, “Casa Simão”, “Casa Maron” e “Casa Karin” ou o consagrava com o nome do santo de sua devoção: “Bazar São Jorge”, Bazar São João”, “Bazar Santo Antonio”, “Bazar São Miguel”, entre outros e, ali, o sortimento de tecidos, ferragens, louças, chapéus, armarinhos e secos e molhados, refletia a sua abastança patrimonial.

Quando o colono, sitiante ou fazendeiro se deslocava para realizar algumas compras na vila, a “matriarca” logo ingressava no ambiente e, após cumprimentar o freguês, dizia de plano: “gombadre, brimeiro gomer debois faz gombras”, onde era ele, de maneira gentil, conduzido para uma farta mesa existente no interior do imóvel com inúmeras guloseimas ostentando dois grandes bules de ágata com leite e café.

Esses libaneses que contribuíram para a colonização de nosso país tornaram-se grandes compradores de café, comerciantes ou industriais e muito de seus descendentes ocupam hoje lugar de destaque em diversas atividades públicas e privadas, orgulhando-nos, bem como aos seus ancestrais.

COLONIZAÇÃO SÍRIO LIBANESA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO

REGIÃO NOROESTE

Bom Jesus do Itabapoana

Abdalah, Adib, Alli, Antonio, Aride, Assad, Bomeny, Bussad, Chaloub, Chebe, Chicle, Couze, Crissaff, Curi, Cury, Daruich, Aud, Eid, Elias, Elkik, Faial, Farid, Felício, Felippe, Felix, Feres, Gazem, Habib, Hette, Hobaica, Jabour, João, Jorge, Kalil. Karim, Kastor, Lahud, Mansur, Maron, Melhim, Miguel, Mouzi, Naciff, Nagib, Namen, Nassar, Ourique, Paulo, Kiffer, Quirino, Rachid, Saad, Said, Saleme, Salim, Salomão, Tabet, Tannus, Tebet, Tuffi, Turques, Ximenes.

Cambuci

Buissa, Gazal, Jorge, Kiffer, Latuf, Nametala, Namen.

Itaperuna

Bussad, Chacour, Chaia, Chaie, Chaquer, Chequer, Farah, Farid, Feres, Gazal, Haman, Latif, Latuf, Mansur, Maron, Merchid, Nabi, Nacif, Nefa, Salim, Tuffi.

Itaocara

Alexandre, Ameis, Antonio, Bechara, Buissa, Curi, Cury, Daib, Farid, Felix, Gazen, Jorge, Kiffer, Latif, Maron, Miguel, Nacif, Namen, Saad, Salim, Salomão, Sarruf, Tuffi, Wagaleir.
Miracema

Amin, Assad, Buissa, Cacheado, Chacourr, Chaia, Chiclala, Farid, Felix, Nacib, Nacif, Namen, Nametala, Neder, Rachid, Salim.

Santo Antonio de Pádua

Assef, Bendia, Chain, Chiclala, Daher, Elias, Hainborque, Haikal, Jasbick, Jorge, Kelly, Mansur, Massaud, Nacif, Richar, Sader, Simão.